Para aceitá-lo continue na linha após o sinal [croniquices, 7]

Que viva la telefonía
En todas sus variantes
(Jorge Drexler)

Por Vanessa Henriques

Meu marido tem um celular com jogo da cobrinha, que faz ligação e troca SMS, e olhe lá. Quando o conheci, ele não usava nem mesmo esse celular. No nosso primeiro encontro, o flagrei saindo de uma cabine de orelhão em frente ao shopping. Ou esse cara era muito especial ou ia dar trabalho. 

Em 2010, quando isso tudo começou, a vida era um tiquinho mais simples. Não tinha WhatsApp, smartphone em abundância ou Instagram. A gente se ligava, trocava uns SMS, tínhamos a sorte de trabalhar juntos, e tudo se acertou. 

Até hoje as pessoas me perguntam como é que nosso relacionamento funciona, como não trocamos mensagens a cada hora, como nós aguentamos guardar o que aconteceu no dia para contar mais tarde. E eu digo que sempre foi assim, e que tudo funciona bem — ainda que tenha me sentido idiota nas poucas vezes em que tirei uma foto, anexei e mandei por email e mandei um SMS dizendo “olhe seu email!”.

Na verdade o que eu deveria dizer é que essa é uma das melhores características do meu marido. Ele odeia celular na mesa enquanto comemos, e me faz lembrar o quanto estou sendo ridícula enquanto ando pela casa com o aparelho a tiracolo. Ele odeia o barulho de novas mensagens, ou aquela fatídica tremida do “silencioso”. Ele não recorre ao cacoete que todos nós desenvolvemos de ficar mexendo no celular quando se está no elevador, no metrô ou almoçando sozinho. 

Baseado em fatos reais (Foto: Vanessa Henriques)

E, o mais importante, ele parece muito mais livre do que eu e muitos à minha volta. Sem notificação de WhatsApp, sem push de notícia, sem curtida de rede social, sem essa tensão constante. 

Não é porque é meu marido não, mas é porque ele está certo. Você já reparou o quanto andamos meio ridículos? Essa cervical torta, os olhos esbugalhados, a constante falta de atenção aos que estão tentando conversar conosco e um estado de euforia e letargia que se alternam.

Minha irmã diz que ele é o verdadeiro hipster, já antecipando a moda do dumbphone (celular simples, oposto do smartphone) que tem tudo para voltar — tão hipster que nem se toca de sua vanguarda. Espero que ela tenha razão, e que possamos testemunhar uma era pós-smartphone.

Agora se essa era nova era significar que vamos usar mais relógios inteligentes, óculos com conexão à internet, geladeiras inteligentes ou qualquer outra parafernália que nos faça ficar mais vidrados, aí não vai ter jeito. Vamos andar tão abobalhados por aí que até os primatas vão tirar sarro de nós. 

E aos que me perguntam quando eu vou convencê-lo a usar um smartphone, só tenho uma resposta: prefiro um homem que anda com cartão telefônico na carteira.

*****************************************************************************************

“Queria lembrar uma boa história, uma que combinasse com o enredo do livro e de nossas vidas. História que guardamos só para nós, em nossa caixinha de segredos, ou daquelas que contamos na mesa do jantar, entre risadas e goles de vinho.” A você, 2 de setembro de 2015

*****************************************************************************************

[croniquices, 7] Este texto integra as comemorações dos 7 anos do blog

A vida é um moinho, dizem. Aperta e afrouxa, sossega e desinquieta.

Por isso selecionei alguns textos que me tocaram nessa volta ao passado e resolvi dar uma cara de futuro para eles. A inspiração vem em trechos, o presente vem completo. Espero que apreciem e se reencontrem também.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s