Deixando pegadas

Por Vanessa Henriques

Gosto de fazer trilhas. É uma paixão que descobri desde que comecei a namorar meu marido. No começo eu tinha receio, me embrenhar no mato, toda estabanada, meninona de apartamento, coisa boa não podia sair. Hoje sou só amores e coleciono histórias e trilhas preferidas.

Claro que não saio por aí de facão na mão e perneira abrindo caminhos. Costumo visitar parque estabelecidos, trilhas fáceis e médias, com ou sem guia. Já fiz trilhas memoráveis por bons e maus motivos. Mas algumas coisas são constantes: o ar puro e fresquinho, o deslumbre com a beleza da floresta — geralmente do pouco que nos resta da rica Mata Atlântica — e as botas sujas de terra.

Botas essas que já estão nos seus últimos passos. Foi por causa dela que comecei a pensar nesse texto. Comprei a minha deve fazer uns 7 anos, quando percebi que não era uma boa ideia sair pelo mato com tênis de corrida. Na primeira usada pisei numa poçona de lama — o que poderia ser um charme, afinal ela foi feita para isso e não entrou nada na minha meia. Mas a verdade é que segui por um lado da trilha enquanto todo mundo foi pelo outro, e chafurdei literalmente.

Depois da bota fui ficando mais paramentada: roupa comprida (é sempre a recomendação), meia longa, boné (odeio e sempre esqueço, mas também é bom), uma pochete (sim) extremamente útil, mochilinha de ataque. Acho que é isso.

Logo, quem me vê por aí só pode achar que sou uma trilheira raiz, descolada, fazedora de raftings e escaladas, saltadora de parapente, telespectadora do Discovery Channel. Curto a fama, mas ela não podia ser mais falsa. Não só pela minha parca experiência, mas justamente por causa dos EPIs que utilizo.

Nada mais raiz do que fazer trilha descalço, de chinelo havaiana, de crocs, de tênis liso de corrida, de all star branco, de calça jeans, de vestido, e até mesmo carregando uma bolsa de palha com um sousplat dentro (tenho testemunhas). Todas situações reais.

Isso é coisa de quem se joga no rolê sem saber bem o que vai acontecer e vai com tudo, não tá nem aí para as consequências. Que escolhe a roupa pelo humor, e não pelo programa. Quem consegue curtir o passeio apesar das péssimas condições em que se encontra. Eu sou muito nutella, não faria nada disso.

Mas devo confessar que um dia já fui mais raiz. Fui com meu marido a uma trilha desconhecida, que envolvia basicamente subir um morro, no melhor espírito ousadia e alegria. Todos diziam que lá não tinha banheiro nem água, era bom levar alimento e alguma bebida.

O que os dois malandros fizeram? Botaram um (repito, um) polenguinho e uma (repito, uma) garrafa de água na bolsa, eu de shortinho jeans e blusinha de algodão, ele de bermudão caqui e uma blusa de corrida (mandou bem) e fomos lá subir por 1 hora um morro interminável debaixo de sol. Ao menos fui com a bota.

Chegamos mortos de cansaço ao topo, suados, com fome, com sede, e sabíamos que ainda tinha a descida. Mas lá do alto, que vista. Dava para admirar todos os mares de morros possíveis e ainda espiar o litoral, para onde iríamos em seguida. Tudo tinha valido a pena.

Para desfrutar comendo um polenguinho! (Foto Vanessa Henriques)

Descemos (o que eu acho mais difícil que subir) e saímos desesperados por um gole de água. Paramos no primeiro restaurante. Só aceitava dinheiro. Compramos o que deu: duas garrafas de água e uma salada caprese. E desde então, ficamos cada vez mais nutella.

O detalhe é que já subimos este morro outras duas vezes. Talvez minhas raízes não estejam totalmente mortas.

Anúncios

Namastê

Por Vanessa Henriques

Li outro dia uma extensa reportagem sobre meditação. Crianças, adultos, idosos e o Prem Baba fazem e adoram. É a conexão do corpo com a mente, melhora a concentração, reduz a ansiedade, ajuda no desempenho no trabalho ou na escola. Sem contraindicações.

Tudo é muito bonito, pena que pareça tão distante. Comecemos pelas indicações da reportagem:

Escolha um ambiente confortável e silencioso” — ora, todos sabemos que essas condições são excludentes. Minha cama é confortável, mas tem o barulho da janela. A sala é espaçosa, mas tem a TV. É uma grande análise combinatória essa vida.

Escolha um cômodo tranquilo, de preferência à meia luz” — essa tá fácil, já que a luz da sala queimou faz algumas semanas e até agora não tomei coragem de trocá-la…

Use roupa confortável; dispense qualquer roupa que aperte, incomode ou prenda” — Ganha um doce com o rostinho do Dalai Lama quem encontrar uma roupa feminina que tenha todos esses requisitos.

Coloque uma almofada sob o bumbum [risos] para a apoiar a região sacrococcígea. Em seguida, sente em uma posição bem confortável” — Desafio 2: pedir para alguém com escoliose moderada encontrar uma posição confortável sentado numa almofadinha no chão.

Mantenha os olhos bem fechados” YES, essa eu consigo!! “A coluna deve ficar ereta durante todo o exercício” Foi por pouco…

O meu preferido, para finalizar: “Não medite logo após as refeições nem com o estômago vazio”. Senta aqui, querido repórter. Esto no ecxiste (leia com voz de padre Quevedo). Ou eu medito ao acordar (barriga vazia) ou depois do café (barriga cheia) ou depois do trabalho (barriga vazia) ou depois da academia (barriga vazia) ou depois da janta (barriga cheia). Não consigo me lembrar da última vez que alcancei esse estágio intermediário que você diz existir.

Antes que perguntem, não tenho nada contra a meditação. Já frequentei umas boas aulinhas de yoga, com tempo para meditação no final. É uma delícia, recomendo a todos.

Minha revolta tem uma origem mais, digamos, estrutural. É muito fácil recomendar meditação quando todo mundo anda nervoso, ansioso e à beira de um ataque de nervos. Parece até bacana falar isso.

Mas não é bem por aí. Somos cada vez mais exigidos no trabalho, o bendito celular nas mãos o tempo todo (para a vida e para o trabalho), a ridícula necessidade de viajar e tirar fotinhos bonitas para postar nas redes sociais, a Rita Lobo falando para cortar os ultraprocessados, o instrutor da academia te olhando torto ao ver seu pneuzinho ressurgindo, e eu poderia continuar nesta lista por alguns dias.

Sabe quando você está tiririca da vida e alguém fala com a maior tranquilidade “Fica caaaaalma”? É isso que estão fazendo conosco. Opa, vocês estão ansiosos, sobrecarregados, precisam tomar whey, ser bem-sucedidos, transar muito, ser ricos,  culpa de vocês, vão fazer uma meditaçãozinha para relaxar.

Quer saber? Eu acho que tá todo mundo relaxado demais. Quem passa o dia encostando a região sacrococcígea numa cadeira de escritório não devia ficar assim tão calmo. Tá faltando mais revolta antes da gente chegar ao estado de mindfullness — ou cabeça cheia de vazio, em tradução livre e jocosa. Meditar no caos não resolve nada, só nos torna um pouquinho mais dóceis.

Ainda assim, recomendo a meditação — seja lá qual forem as condições possíveis. É preciso estar preparado e equilibrado para melhorar todo o resto. Ou para, pelo menos, estar mais zen quando seu chefe insinuar que você poderia ficar mais calminha.

Namastê! A irritadinha que habita em mim, saúda a irritadinha que habita em você!