Estouro

Por Vanessa Henriques

                 Se você não suporta o som do estalar de dedos, sugiro que pare de ler por aqui, pois o que se segue é um texto cheio de clacs e crecs. Eu era uma dessas pessoas até que, por insistência da minha irmã, parei de sentir dor e comecei a sentir prazer em estalar os dedos: primeiro as falanges maiores, depois as maiores, até chegar ao nível avançado e conseguir estalar todas de uma vez só. Ou mesmo o dedão, que pode ser mais traiçoeiro.

                Os motivos pra estalar são vários: nervosismo, tédio, ativar a concentração, quebrar o silêncio… mas o mais triste de tudo é que, uma vez estalados, você vai ter que esperar um pouco (um muito, dependendo do nível de ansiedade) para conseguir fazê-lo novamente. Pesquisei no Google: 20 a 30 minutos para estalar de novo, isso porque nossas articulações são envoltas numa espécie de cápsula que contém gases que estouram ao dobrar ou estalar, e que demoram esse tempo para se reunirem novamente. Ninguém confirma nem nega se faz mal estalar os dedos: desconfiam que desgaste as articulações e cause artrite ou artrose, mas nada confirmado. Ufa.

                Esse é um costume que me lembra muito minha vó. Ela costumava pegar nos dedos dos pés dos netos que estavam deitados no sofá e os puxava, com cara de sapeca. Dali você já sabia quais primos sentiam cócegas, quais não ligavam e quais achavam meu-deus-a-dor-mais-insuportável-do-mundo.

                Nunca entendi porque minha vó fazia isso, mas achava graça dessa mania. Hoje entendo que o verdadeiro estalador não se satisfaz em estalar apenas os seus dedos — afinal, após estalar todos eles, ele sabe que tem que esperar para conseguir repetir o feito —, mas deve catequizar todos a sua volta. Por que se contentar com dez dedos, se você pode ter vinte? Trinta? Vale o risco de perder a amizade.

                Um dos mitos correntes é de que a prática engorda os dedos (você pode ouvir isso durante a súplica de alguém que resista às suas investidas). Isso eu não sei, mas venho de uma linhagem de estaladores e, se você olhar a minha mão, a da minha mãe e a da minha vó verá três gerações na sua frente, todas com as falanges do meio mais grossas que as da ponta. Coincidência?

Anúncios

One thought on “Estouro

  1. Eu não pretendia comentar essa croniquice – embora o texto esteja ótimo. Adoro quando você comenta uma memória ou algo corriqueiro, de uma maneira simples, mas comovente e interessante -, mas o destino me obrigou. É que você se esqueceu de comentar sobre uma modalidade de seu esporte familiar, a modalidade “estralo extreme”.
    Para praticá-la, basta fazer o que que fiz há pouco: chute o pé da cama com a mesma vontade que Roberto Baggio chutou a pelota para a arquibancada, em 1994. Você ficará surda por uns minutos – de dor -, de modo que não escutará a emocionante narração do Galvão (“É quebra! É quebraaa!!”), depois você aceitará que o choro é um recurso válido, mesmo entre os valentes. Horas depois atestará que o dedo médio do seu pé ficou preto e que você não consegue mais andar – você ficou manco, talvez pra sempre.
    O único inconveniente é que entre uma sessão de estralo extreme e outra você talvez tenha que esperar semanas. Mas vale a pena: a intensidade se impõe sobre o desejo da repetição.
    Vale a pena conferir!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s