Rodamoinho

Por Vanessa Henriques

É constrangedor admitir isso, mas eu tô com saudades do novo normal. Era live todo dia, comerciais emocionantes de banco sobre a importância da união, repórter fazendo máscara de manga de camiseta ao vivo e a permanente sensação de estar vivendo todos os dias naquela tirinha clássica da Turma da Mônica (“O que está acontecendo?”/“Eu não sei!”). 

Naquele misto de todo mundo fora da casinha, sem saber o que fazer ou o que pensar, quando até o Dráuzio Varela mudava de ideia, estava a clareza de que todos estávamos perdidos, juntos. E que nada estava normal. Saudades do que a gente viveu (por dois meses). 

Antes que me acusem de insensível, não tô romantizando o pânico de não saber o que ia acontecer nos próximos dias, a espera pelo pico, pelo platô e pela redução de casos (que até agora não veio), a sensação de que nunca ia acabar. Parte desse sentimento se diluiu no andar do calendário, parte ainda está conosco.

E alguém sabe? (Reprodução)

O que realmente sinto falta é a noção de que não dá para manter a produtividade de antes, só que de pijama em casa. É massacrante. Tempos excepcionais exigem cobranças excepcionais, mas parece que nos esquecemos disso lá pelo quinto mês de aula online. Oito horas de expediente (aliada à sensação de morar no trabalho) tá fazendo sentido para todo mundo? Obrigar uma criança a ficar horas a fio na frente de uma tela é mesmo a melhor solução?

Atingido um ponto mínimo de equilíbrio (que nada tem a ver com normalidade), parece que bateu uma preguiça coletiva de pensar em melhores soluções. Vamos indo em frente, e eu vou também, sozinha não vou (nem tenho como) saltar desse barco. 

Quando temos aqueles 5 minutinhos de lucidez, aparecem os dilemas da Tostines: a aula online não empolga o aluno porque é online ou porque a escola offline já não fazia sentido? O home office cansa porque é em casa ou porque ninguém é produtivo por tantas horas seguidas? O álcool gel limpa ou meleca mais a mão? Mais vale uma PFF2 solta ou uma máscara de pano surradinha bem colocada?

Mas logo lembramos dos prazos, dos invites, das notificações, nos acostumamos com a tremedeira no canto do olho e seguimos, desejosos de uma vacina que vai nos colocar pra correr na roda do hamster do jeito que sempre fizemos, ufa, que alívio.

“O mundo jamais será o mesmo”, dizia a propaganda emocionante de uma companhia telefônica. Eu acreditei, mas 14 meses depois, vejo que estamos trabalhando como nunca para tudo ficar como sempre — e não tem nada de normal nisso. 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s