Impressionismo

Por Vanessa Henriques

                — Olá, estou começando hoje o curso de história da arte. Você poderia liberar a catraca, por favor?

                — A senhora já fez o cadastro da digital? — rebateu a recepcionista sem levantar os olhos da tela do computador.

                — Não, ainda não. — respondi um pouco envergonhada.

                — Posicione seu dedo indicador direito na luz vermelha. A leitura será feita em três fases, retire o dedo toda vez que a luz piscar.

                — Ok!

                Três piscadas depois, o assunto estava resolvido. Ou ao menos parecia. Posicionei o dedo confiante, certa de poder ingressar tranquilamente no mundo das artes. Mas a recepcionista, com um sorriso de Monalisa, deu a notícia:

                — Não identificado, senhora. Tente novamente.

                Todas as tentativas foram inúteis. Mão direita, mão esquerda, só faltou tentar com o dedão do pé! A recepcionista, já impaciente, me olhava como se eu fosse a culpada.

                — Olha moça, posso me identificar de outras formas, toma aqui o meu RG.

                — Sinto muito senhora, mas a digital tem que conferir.

                — Bom, vamos ter que arranjar um meio termo. O que vocês guardam de tão preciso aí que eu precise me identificar? Um Monet? O Monet? É ele quem vai dar a aula?

                Foi por aí que cometi o erro estratégico de irritar a única pessoa que poderia me deixar entrar. E não parei por aí. Disse que ligaria pra minha mãe, e ela encaminharia por fax meu teste do pezinho. Que iria chamar o Michelangelo para pintar minha digital na parede da entrada. Que não me curvaria diante da burocracia. Pensei em saltar a catraca, mas achei que aí já seria cruzar um pouco a linha.

                Pensei em ligar para quem tinha me indicado o maldito curso e despejar a minha raiva, mas antes disso teria que enfrentar a tesouraria e todas as burocracias possíveis e imagináveis naquela Capela Sistina amaldiçoada.

                Maldita hora que decidi fazer “algo por mim”, “me dar o direito a alguns momentos de lazer”. Mas eu sei que esse inferno de Dante haveria de me encontrar em outro lugar. Afinal, agora tem que colocar a digital no relógio de ponto, no curso de inglês, na academia e daqui a pouco até na padaria vão fazer fiado pela digital. Se não pagar, não vai poder colocar mais as patas no recinto, literalmente!

                Assim como não gosto de informar meu CPF em qualquer esquina (nota fiscal paulista, senhora?), também não me sinto confortável em deixar minhas digitais gravadas por aí. Tudo bem que elas não costumam me identificar… Mas vai que um dia eu mudo de ramo? E se depois do assalto do século me pegarem devido a um esbarrão na porta de vidro que foi cruzado com a digital do curso de história da arte?

                De digital já basta o relógio, a tevê e o computador. E vamos combinar que digital boa é aquela de pele para pele, que ao invés de deixar marca, deixa sorrisos. As que sobrarem, deixamos pras luzinhas vermelhas das catracas da vida.

Anúncios

6 thoughts on “Impressionismo

  1. Isso por que vc não deve ter conta no banco Itaú, um simples extrato vale duas ou três vezes a leitura da mesma digital, é um saco mesmo…penso que daqui algum tempo o bandido poderá optar em levar o meu dedo ao invés da minha carteira. Sabe que a belas artes pode resolver o seu problema quanto as exigências no curso de história da arte: http://www.belasartes.br/processo-seletivo/ (rsrs eu vi no metro ontem). bjs

  2. Estava ansioso por um novo texto! Como sempre, uma leitura muito agradável. Finalmente alguém concorda comigo quanto à nota fiscal paulista… E sobre as benditas digitais, mais um entre os males da modernidade, e ao que parece veio pra ficar. Aquele futuro distópico nem parece tão distante.

  3. Muito legal o que você escreveu! O cidadão comum está sempre tendo que se identificar em todos os níveis e sentidos e tem-se a impressão de que quanto maior a sua boa vontade mais trabalho ele tem. Conheço um lugar que além da digital você precisa de um crachá (horrível) para circular. Logo, não sei se eles desconfiam mais do sistema que implantaram ou daqueles que passam por lá.
    Enfim, gostei muito do que escreveu.

  4. …o pior é que um ‘batalhão’ está sendo criado para dar conta da indústria da ‘verificação de dados’ e as pessoas da base ou da linha de frente (recepcionistas, seguranças) parecem robotizados e seguem o que a máquina manda. Acho que já estamos no ‘admirável mundo novo’ do Aldous Huxley, só que ele não é nada admirável, só da raiva rs espero que você consiga fazer o curso, afinal, é só isso que importa 🙂 bjs!

  5. Muito interessante o texto. Sempre fico inconformado quando ao preencher algum cadastro informam que não dá para fazer ou retificar algo porque o “sistema não deixa”. Ora, o sistema foi feito por alguém e pode muito bem ser mudado. Se não se pode realizar algo, ao menos que se dê uma explicação coerente e não uma tão simplista quanto o “sistema não deixa”…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s