Retina

Por Vanessa Henriques

A rotina é um bicho esquisito. Desejada e indesejada, ela passa de vilã a mocinha em questão de segundos. É motivo para reclamar do tédio e do desassossego, mas também um alívio praqueles dias agitados em que tudo que conseguimos pensar é: quando vou poder voltar para minha doce e monótona rotina?

Eis que, num golpe de sorte, essa rotina muda. Completamente. Pode ser uma troca de casa, de emprego, de namorado ou de caminho. De repente o mundo muda, sutilmente, e nos obriga a adaptarmo-nos a um novo olhar.

Antes da mudança, tudo são só saudades. É a última vez que pego este ônibus. É a última vez que faço esse caminho. Nos despedimos, timidamente, internamente, de todos aqueles lugares pelos quais gostávamos de passar, outros nem tanto. O nascer do sol no cemitério da Consolação. Aquele restaurante maravilhoso. Aquelas lojas nas quais sempre prometi entrar, mas nunca entrei. Sabe como é, atrapalharia as tarefas rotineiras…

Nesse clima de nostalgia nos esquecemos o que nos fez mudar, o que nos impulsionou para o outro caminho, novo e imprevisível. Um emprego maçante, uma vizinhança implicante, um namorado ciumento. Cada um tem seus motivos.

E surge assim, o novo. Difícil adaptar o novo à velha rotina. O olhar escapa por novas lojas, novas esquinas. De repente, voltamos a nos importar com o ponto de ônibus, ainda incerto. Namoramos restaurantes e potenciais namorados andando pelas ruas. Buscamos olhares familiares. Eles não existem ainda, mas virão com o tempo.

E nos esquecemos, ainda que momentaneamente, de que dentro de algumas semanas, talvez meses, já teremos nos acostumado a tudo que antes parecia excitante e diferente. Até lá, aproveitamos o momento.

Nada como descobrir um lugar novo. Mas como na geografia dos corações não existe caminho fácil, e é bem capaz que desperdicemos esse instante com nostalgia do que já foi, com teimosia em deixar-se apaixonar. Tudo bem, também faz parte do processo.

E mais uma vez retornamos ao início destas linhas tortas, maldizendo ou desejando a rotina que nos devora e conforta. Até que uma reviravolta nos obrigue a ver tudo com outros olhos.

Anúncios

11 thoughts on “Retina

  1. Gostei da ‘geografia dos corações’: se um dia você lançar um livro (espero que sim, faço votos!) esse título ficaria perfeito! E eu também acho que a rotina tem lá suas qualidades, no final das contas…Mas geralmente, só percebemos (como você bem lembrou) quando mudamos algo…Gente é bicho complicado! rs

  2. Muito bom o texto Croniquices, eu adorei!!!! E é verdade, mesmo com toda a expectativa do novo, a velha rotina está lá querendo fazer parte rs bjs

  3. É legal saber que podemos alterar a rotina quando está nos cansando. Mudar a perspectiva, os caminhos, as expectativas é, quase sempre, muito bom. Vanessa, gostei do texto, ainda mais sabendo que você está redesenhando os seus caminhos… que seja um bom trajeto!

  4. […] Quanto ao croniquices, é difícil apontar uma crônica favorita somente, então vou apontar duas, tudo bem? rsrs a mais divertida “677A-10 — ou algo do gênero” e a mais bonita “Retina”.” […]

  5. […] preferidas também são as preferidas de outros! Rs Tenho muito carinho por ‘Caiu na Rede’, ‘Retina’ e ‘Fechado para balanço’. Gosto bastante também de uma crônica sobre chinelos, uma das […]

  6. Van, parabéns! Inspirador e motivante!!!
    Certamente esse texto me impulsionou a seguir em frente, após o término de uma etapa da minha vida.
    Beijos!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s