“E os urubus passeiam a tarde inteira entre os girassóis”

Por Vanessa Henriques

Hoje a caminho do trabalho vi um pica-pau de cabeça amarela. Ele e uma pomba disputavam um pedaço de pão, mas ao notar minha presença ele fugiu, e subiu a árvore dando saltinhos até sumir entre as folhas.

Mais adiante, vi dois quero-queros muito à vontade em um gramado, disparando impropérios a qualquer coisa — vale lembrar que eles estavam muito próximos da avenida, então leia-se carros, motos, ônibus e pessoas — que ousasse chegar perto de seu precioso quintal.

Na copa de uma árvore, não vi nada, mas ouvi: o canto desesperado de uma..? Cinco..? Vinte maritacas, vou supor arbitrariamente! Maritaqueavam tanto que pareciam compor uma sinfonia, mas não vi nem sinal delas, que deveriam ser tão verdes quanto a copa da árvore do alto da qual não se calavam.

Já no trabalho, senti que algo tapava momentaneamente a luz do sol: olhei para a janela e vi dois urubus voando bonito — eles são feios, mas como voam bonito… — entre prédios espelhados e guindastes que levantavam outros prédios espelhados. Mergulhavam no vazio para depois retornar a toda. Ao menos alguém se divertia em horário comercial.

E pombas, vi muitas: de todas as cores, tamanhos e hábitos alimentares possíveis, como já nos acostumamos a ver.

Essas foram as aves que eu vi, mas quantas outras não estavam escondidas, como as maritacas, nos quatro cantos da terra da garoa? Mas afinal, o que há de interessante na cidade de São Paulo para que tantas aves morem por essas bandas? A quantidade de oportunidades de trabal… digo, de ganha-pão? A possibilidade de conhecer aves de toda parte? O MASP?

Responda, do fundo do seu coração: se você tivesse um par de asas, moraria em São Paulo? Imagino que muitos diriam: ‘não, moraria na praia, na montanha, daria uma volta completa no mundo ou viraria nômade’. Não é possível que a pipoca das velhinhas nas praças seja tão boa assim!

Mas o que nos prende a essa cidade que gostamos tanto de odiar? Falta-nos um par de asas? Migraremos pro Sul ou pro Norte? Viajaremos em bando sem parar? Por ora, vamos ficando… e, como quero-queros, defendemos esse descampado que aprendemos a chamar de realidade.

Anúncios

4 thoughts on ““E os urubus passeiam a tarde inteira entre os girassóis”

  1. A cidade que não nos pertence utilizou os tijolos da nossa vida para se construir. Estamos ligados a essa loucura e dela fazemos parte, de alguma forma. Não suportamos assumir no que se transformou nossa criação, mas odiamos ainda mais assumir que olhando para a cidade, olhamos um pouco para nós mesmos.
    Belo texto! Certa vez um par de maritacas fez um ninho dentro do telhado podre da minha casa. Apesar do problema – animais dentro do meu telhado – certamente foi uma alegria ter visitas de pais zelosos várias vezes por dia! A mamãe/papai maritaca entrava enquanto o papai/mamãe maritaca ficava vigiando, maritacando bem alto do alto do mais alto galho da minha árvore.

  2. Adorei a crônica, em especial o trecho: “Por ora, vamos ficando… e, como quero-queros, defendemos esse descampado que aprendemos a chamar de realidade.”

    Se eu tivesse um par de asas eu iria….provavelmente, entrar para os x-men! Ou talvez viajar um pouco na baixa temporada, época de migração sabe como é né

  3. Respondo, do fundo do meu coração: se eu tivesse um par de asas, voaria para longe, bem longe, para montanhas fossem bem altas…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s