Arroz com passas

Por Vanessa Henriques

O Natal sempre foi o palco de brigas familiares (e hoje em dia, também nas redes sociais) motivadas por um motivo pequeno, redondo e controverso: a uva passa. No arroz ou no panetone, há quem celebre este mês em que se resolve colocar passas em tudo e quem se descabele diante de tamanha desfaçatez.

Antes que me perguntem, sempre fui contra as passas, o que lá em casa era uma batalha perdida. Família de cinco integrantes não tem empate, e meus pais e minha irmã mais velha sempre se uniram em favor das ignóbeis frutinhas. Restavam eu e minha outra irmã emburradas, no canto, pedindo clemência à minha mãe pela salvação do arroz. Nunca funcionou.

O panetone também sempre foi um drama. Às inocentes frutas cristalizadas, resolveram adicionar as temidas uvas. E lá se formavam montanhas de passas no canto do prato a cada fatia degustada — que ao final minha mãe juntava com uma mão e comia com gosto, para nosso desespero.

O bom das uvas passas é que elas somem durante os outros onze meses do ano. Tirando uma ou outra incursão numa granola ou num mix de castanhas, elas nos dão a chance de esquecer delas no resto do ano.

E eu realmente esqueci as uvas passas. Aos poucos, fui me acostumando com essas breves aparições no meio do ano. E no panetone, bom, já me dava uma preguiça de tirar uma por uma (pode reparar: tem muito mais uva passa que fruta cristalizada em toda fatia). Tirava uma maior, comia as menores.

Até que me dei conta de que as passas já não me incomodavam mais do que o trabalho de retirá-las. Sem demora, minha irmã chegou à mesma conclusão: me enviou uma mensagem há alguns dias dizendo que havia almoçado uma salada com passas e que nem tinha percebido. Disse que era o prenúncio da vida adulta.

É verdade que entre a infância e a maturidade muitas questões de vida ou morte deixam de fazer sentido. As passas até que duraram um bom tempo, admito (meus pais que o digam!). Juro que queria me importar ainda com as passas e escrever um texto enumerando os seus defeitos. Tarde demais, eu permiti que elas entrassem na minha vida para ficar, doze meses por ano. Posso ter falhado na minha missão, mas admito que ficou bem mais prático. De dificuldade, já basta a vida adulta.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s