Se a canoa não virar

Por Vanessa Henriques

O ano mal começou, e já começou animado. No primeiro dia útil do mês virei para a chefia e falei: pois é, tô saindo. Não que eu houvesse um emprego milionário me esperando. Nem mesmo outro emprego. O que me esperava do outro lado eram alguns dias de sossego, um curso sem remuneração e uma remota possibilidade de contratação, só daqui a uns meses, se vier. Pensei, pensei muito mesmo. E saí.

A chefia em questão não reagiu assim tão bem. Ele quis saber mais, e eu contei até onde quis. Fui revelando aos poucos, como que saboreando um prato pelas bordas. “É uma oportunidade melhor?” “É sim”. “Você já tomou a sua decisão?” “Já sim”. “E a remuneração?” “Não tem”.

Esse foi o momento em que nós nos separamos, como se cada um estivesse em margens  opostas de um grande rio. Em conversa com minha irmã, mais tarde, ela acertou na mosca: essa geração de chefes não entende esse tipo de postura. Não entende que há coisas que o salário, a comodidade e, por que não, o medo, não compram.

Eu estou com medo, claro, mas estou seguindo. Desci da margem e entrei num bote, sem saber aonde esse rio vai dar. Já conheço essa margem de cor e salteado, e se preciso for, volto para ela, sei o caminho. Mas acho que preciso de um período sem margens.

E que dificuldade é viver assim, para quem sempre teve “livro de ponto, expediente, protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor”. Grandes possibilidades, mas também grande incerteza. Apanho no leme, sinto a vela balançar, mas tenho que continuar indo, a decisão está feita.

E até lá, o que fazer? Ver TV? Estudar? Arrumar aquele armário da cozinha que nunca foi arrumado? Já me senti culpada por não fazer nada, e igualmente culpada por ficar arrumando o que fazer. Ninguém tem a resposta, e cada jangada vai no seu ritmo.

A jornada vai ser longa, irreversível talvez. Pode ser que eu me acostume, pode ser que não. Pode ser que eu me encontre, mas é bem provável que continue perdida (e quem é que se encontrou?). Mas eu valho a tentativa.

Anúncios

2 thoughts on “Se a canoa não virar

  1. “Tem uma verdade que se carece de aprender, do encoberto, e que ninguém não ensina: o bêco para a liberdade se fazer. Sou um homem ignorante. Mas, me diga o senhor: a vida não é cousa terrível? Lengalenga. Fomos, fomos. (…) O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.” (Guimarães Rosa, “Grande Sertão: Veredas”

    É isso, Vanessa. “…o beco para a felicidade se fazer.” E, principalmente, é preciso ter coragem. Acho que coragem não te falta. Beijão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s